terça-feira, 14 de setembro de 2010

Segue o que sentes


Sempre o mesmo, mas que raio será o amor?!
Para evocar o amor já se erigiram monumentos, se escreveram poemas, se pintaram quadros e se compuseram músicas.
E no fim, será o amor sermos fracos? será ter medo que haja um fim?!?! Será que inibria e consegue envolver-nos num turbilhão de emoções que nem sempre deixa intacta a nossa capacidade de raciocínio?!?!
Por outro lado, uma relação sobrevive se o outro é comparado com o exterior e nessa comparação volta a ser o escolhido.
de que é que precisas?



P.S: Esta coisa do amor é fudidamente grande, que chega a ultrapassar a cambada do ozono.
Pois é...

Rikardo

1 comentário:

  1. Acho que nem para isso servem. Até os trolhas conseguem ser mais agradáveis.

    ResponderEliminar